Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Setembro, 2013

Entre ciclos, voltas e retornos.

Há seis anos atrás tive um deslumbre, um sonho, uma intuição. Tinha nome, endereço, fisionomia, sorriso e inteligência. Com uma mochila nas costas, parti e deixei toda uma vida para trás, como se fosse fácil recomeçar em um outro lugar. Fácil não foi, tampouco difícil, tiveram lá seus percalços, mas acredito que faça parte da caminhada. Acontece que há pouco mais de 9 meses, a previsão tomou forma, e acabou se concretizando em nome, fisionomia, sorriso e inteligência, exatamente como eu havia imaginado, e eu ainda me pergunto o que é que ele tem que eu não consigo reagir de forma diferente?
Chame de loucura, ou do que quiser chamar, eu chamo de acaso, coincidência, destino. O que me fez lembrar todas as vezes que deitei na grama, na areia, na sacada do meu quarto e fiquei olhando para o céu me perguntando qual era o sentido disso tudo. Algumas perguntas levam anos para serem respondidas. As minhas não ficam atrás, mas também não ficam sem respostas. Eu fiz muitas perguntas e somente …

Por mais doçura

Entre sorrisos e aconchegos é que me sinto em casa. Quem dá mais é que me tem mais por perto. Aprendi a me aproximar de pessoas parecidas comigo, e nessas voltas que o mundo dá, ele sempre me leva para quem tem mais alma e mais coração. Saudades só sinto dos meus pedaços que acabei deixando no caminho, um pouco aqui, um pouco ali. Quem sabe mais para frente eu não consiga reunir todos eles novamente? Ou quem sabe a vida é isso mesmo, ir despedaçando aos poucos para no final descobrir quem a gente é de verdade.

O começo do fim

Sei que você acha estranha a minha frieza, principalmente depois de tanto calor. Acontece que uma hora eu tinha que por um ponto final nessa história. Não foi hoje e nem se quer foi no último mês. O fim começou há muito tempo e agora só é mais fácil de enxergar as coisas como elas sempre foram. Escrevo isso tudo sem um pingo de sentimento porque vivo minhas histórias na época que tenho que vivê-las. Sempre fui do tipo que se joga de cabeça, mas também sempre fui do tipo que quando resolve sair de cena, sai e nem olha para trás. Talvez eu tenha me enganado algumas vezes, talvez agora eu esteja vivendo uma vida mais rasa, porém mais verdadeira do que a que vivi os últimos tempos. É sempre bom se livrar do que nos prende o riso, mas é melhor ainda se livrar daquilo que não nos faz mais bem. Eu entendi o que a minha irmã me dizia sobre o fim, eu também entendi sobre aquilo que meu irmão falava sobre relacionamentos que não deram certo, mas principalmente, entendi porque é tão necessário …

Sobre coisas bonitas e corações inquietos.

Um beijo na garagem, te peço pra ficar de novo com seu colar, você quer usá-lo um tempo porque ele passou muito tempo comigo. Tudo bem. Outro beijo na garagem. Você tira o colar e põe em mim. Sussurra boa noite, tá? Digo boa noite. Observo você se afastar ao pé da escada. Senti meu coração bater forte nessa hora. É tão bonito sentir o que eu sinto por você e faz tanto tempo que ninguém me faz sentir assim. Todas as coisas bonitas que você já disse, os momentos bonitos de nós dois. Eu disse não quero me apaixonar por você, você também não. Não é hora. Mas tem hora? Me dá um medo. Você pergunta que foi, tá apaixonada? Eu digo não. E você? Um pouco. Um pouco quanto? Do seu tamanho, assim. Do meu tamanho é bastante. Eu disse que não mas é claro que sim. Mas é pouco. Não falo pra não te preocupar. Do tamanho dos silêncios entre os nossos beijos, do tamanho do momento em que a gente para e só sente a respiração um do outro pertinho. Mas é enorme esse momento, eu sei. Você fez tudo ficar tão…